.

Adoção I - Estamos preparados?


E ste é um dos temas que volta e meia está nas paginas dos jornais e revistas ou divulgado na televisão. Talvez porque alguma criança foi agredida ou porque é criança de rua
 ou então porque a  mãe ou o pai a abandonou em um abrigo.

Constantemente ouvimos, Juízes, Promotores, especialistas em adoção, Psicólogas órgãos de proteção das crianças, Conselho Tutelar e tantos outros nos passam uma retórica interessante e comovente.

Diante disso nos sentimos comovidos e cheios de compaixão por essas crianças com isso resolvemos ADOTAR UMA.

Ficamos sensibilizados ao saber que esses pequeninos estavam à mercê de pessoas inescrupulosas, malvadas e desumanas. Sentimos a obrigação de protegê-las e nada melhor do que adotá-las.

Tudo parece muito simples e prático.

Entretanto, precisamos entender que adotar uma criança é um passo importante, irreversível e que necessita de muita responsabilidade e coragem..

Temos que estar conscientes que adotar uma criança não é ter um objeto com o qual sonhamos  e só nos satisfaz quando atende os nossos interesses, fora disso descartamos, jogamos fora ou trocamos por outro.

Uma criança não é objeto de desejo que pretendemos possuir por algum motivo não posso ter (fabricar) ou quero mais, vou à loja e compro e assim satisfazemos nossos desejos emocionais.

Ela trás dentro de si um universo de questionamentos e anseios que se não estivermos realmente seguros deste objetivo, aquilo que imaginávamos ser um sonho lindo e colorido se transforma em um pesadelo.

Não adianta escolhermos, sobre o prisma do olhar, imaginando aquela menina ou menino de olhos verdes claro ou de cor negra com aquele sorriso maravilhoso por quem nos apaixonamos a primeira vista.

Devemos escolher com os olhos da alma e do coração por que é de lá do nosso interior que teremos que amar e educar uma criança que tem dentro de si uma carga enorme de rejeição e com uma expectativa de receber carinho, afeto, e acima de tudo segurança.

Se uma criança está para adoção significa que ela já sofreu um abandono. É fundamental que seu futuro lar seja harmonioso, alegre, sério, com pessoas equilibradas e que estejam preparadas para recebê-la e lhe dar todo o amor.

Temos que entender que criar um filho é uma enorme responsabilidade e exige muita dedicação. Mas criar um filho adotivo requer ainda mais, pois a esperança que ela tem sobre os pais adotivos é que serão em quaisquer circunstâncias amada incondicionalmente.

Saber que nossos filhos traçou um bom caminho, nos da à certeza de que valeu a pena acreditar, mais isso vamos voltar a refletir outra vez.

O que se faz agora com as crianças é o que elas farão depois com a sociedade. Karl Mannheim

As crianças não têm passado, nem futuro, e coisa que nunca nos acontece, gozam o presente. Jean de La Bruyère

Deixai vir a mim as crianças, porque delas é o reino de Deus – Jesus Cristo

Ame as crianças e jamais envelhecerás. Ivete Hermann

Compartilhar        Home

5 Deixe seu comentário:

Rosana disse...

O verdadeiro amor, ultrapassa as fronteiras do preconceito e vai até o fim

Eduardo disse...

O verdadeiro amor não está em colocar no mundo e sim em manter a vida, cuidar transformar esse pequeno ser em parte de nós.

Paula disse...

Eu admiro quem tem essa capacidade de adotar uma criança.
É a atitude mais digna do ser humano.
Quisera eu poder agir assim.

Mil beijossssssss

Ranulfo disse...

Oi Rosana, Eduardo e Paula.
Obrigado pela visita.

Realmente, adotar é um gesto gratificante e sublime. Mas que requer muito amor e coragem.

Espero vocês mais vezes.

Abraços.

Iuri disse...

Eu pergunto, os órgãos públicos estão preparados para o processo de adoção?
Pelo que percebo não.
O processo é tão complicado e moroso que muitos que estão na fila perdem a esperança de um dia ter um filho adotivo.

Postar um comentário

Será um prazer receber comentários, para nós do Varimix, eles são muito importante.

Esclarecemos que, serão avaliados antes da publicação, sendo que comentários obscenos, difamatórios e que não tem relação com o Blog não serão publicados.
Os comentários não refletem a opinião do autor do artigo.

Participem, deixem seu recado.
Abraços!