.

Vizinho Solidário

..
.

Resolvi editar esse texto para que mais pessoas tomem conhecimento deste projeto, “Vizinho Solidário”, conduta que algumas cidades estão adotando, visando o bem estar e segurança dos seus moradores.

Com o crescente índice de criminalidade e assaltos, as pessoas estão se isolando e se trancando em suas casas e se afastando dos seus próprios vizinhos e com isso perdendo oportunidades de terem uma relação cordial e mutuamente se ajudarem em situações adversas.

Uma pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que três a cada cinco domicílios brasileiros possuem pelo menos um dispositivo de segurança como alarme, câmeras de segurança, interfone, grades nas janelas, cerca elétrica, entre outros.

O levantamento revela a insegurança cada vez maior dos moradores de bairros, que estão migrando para prédios ou condomínios fechados.

Outra pesquisa feita pelo IBGE em 2008 e 2009 e concluída neste ano de 2010 revela que 78% dos entrevistados se sentem seguras em casa, 67% em seu bairro e 52% em sua cidade, o que mostra a influência da violência.

Nesta pesquisa os entrevistados revelaram que: 39% consideraram que a segurança é mediana; 34% que é boa ou ótima e 27% que é ruim ou péssima. Para melhorar, 66,72%% apontaram que a solução é ter mais policiais nas ruas e que eles devem atuar mais próximos da comunidade.

Na avaliação da pesquisadora, a polícia aparece, no estudo, como principal responsável por resolver o problema da violência porque as pessoas possuem uma visão equivocada e imediatista de quem faz a segurança pública.

”Na realidade, quem deveria atuar para melhorar a segurança da população, em todos os níveis, é a própria população, cuidando de seus vizinhos, se envolvendo nas questões de seu bairro”, salientou.

A idéia do projeto é justamente criar uma rede solidária entre vizinhos do bairro, o que permitirá o estreitamento das relações de um com o outro onde cada um buscará informar sobre movimentações de pessoas estranhas próximo, as residências, mantendo um contato telefônico ou pessoal entre o grupo com a rede de vizinhos solidários, com isso aumentando a segurança de suas famílias e de seus pertences.

Algumas comunidades adotaram como forma de se comunicarem, através de um apito e uma placa na frente de cada residência com a indicação "Vizinho Solidário". A ação entre vizinhos, acontece de maneira muito simples. Toda vez que um vizinho percebe movimentação estranha na casa ao lado, apita sinalizando pedido de ajuda para que outros chamem a polícia ou tomem as providências necessárias.

Normalmente os moradores das comunidades que adotam esse projeto notam que as ocorrências de furtos, roubos e outras ocorrências melhoram sensivelmente.

Outro ponto favorável ao projeto é que a relação entre os vizinhos de bairro melhora bastante, passa a existir mais cordialidade entre si.

Cada um ajuda a cuidar do outro, sem confundir isso com intriga e fofoca, e todo mundo acaba se conhecendo, mantendo uma convivência agradável.

O vizinho é aquele que mora mais perto, com quem dividimos os mesmos espaços nas escadas, no elevador, nos parques, no estacionamento, nos jardins, contudo, muitas vezes ele não passa de um estranho ou até mesmo de um inimigo. Muitos sonham com a morte súbita do cachorro do vizinho, esperam chegar sempre na frente para conseguir a vaga para o carro, brigam pela limpeza do prédio, revoltam-se com as festas barulhentas que terminam tarde da noite.

“Conhecer os vizinhos não significa expor a vida e os hábitos publicamente, mas apenas saber quem são as pessoas que estão mais próximas, com o objetivo de, em uma dificuldade ou necessidade, saber quem é a pessoas mais próxima a que se pode solicitar algum auxilio. E esse auxilio certamente, pode ser prestado com muito mais agilidade pelo vizinho do lado ou da frente”. SMS de Mogi-Guaçu.

Pertencer à comunidade significa interagir com as pessoas e conhecer melhor os costumes da vizinhança. Por isso, há necessidade de encarar o vizinho como um parceiro e não como um estranho que mora ao lado.

Saber quem mora ao lado e conhecer o seu vizinho mais profundamente pode melhorar a convivência e resultar numa grande parceria.

A Policia Militar tem aderido a esse projeto como parceiro e com o propósito de dar na parte de segurança sustentabilidade ao bem estar dos moradores dos bairros e das comunidades das cidades.

Quando a solidariedade se estende, nasce à amizade, surge também a cumplicidade e a solidariedade de pessoas que se unem por objetivos comuns.

Todos buscam um lugar tranqüilo e seguro para se morar.
Compartilhar        Home

7 Deixe seu comentário:

Pedro disse...

Nós cidadães, pais de família, estamos nos enjaulando dentro de nossas casas, para que os bandidos fiquem soltos pelas ruas.

Danilo disse...

Não é só os vizinhos que tem que serem solidários.
A polícia também, de preferência não serem prepotentes, arrogantes e autoritário, com os cidadões de bem.

Pamela disse...

É importante mantermos uma relação de cordialidade com nossos vizinhos.

Paula disse...

Meu vizinho, meu bairro são extensão da minha família. Precisamos nos unir, para nos proteger.

Fernanda disse...

Vou te contar uma coisa, tem lugares em que moramos, temos que desconfiar até do vizinho.

Odete disse...

Atualmente está cada vez mais difícil relacionarmos com nosso vizinho.
Moramos anos perto uns dos outros e mal nos conhecemos.
Tudo por medo da violência que assola nosso pais.

Ranulfo disse...

Um bom relacionamento entre nossos vizinhos, é um grande aliado para nos prevenir contra a possibilidade de termos nossa residência invadida por assaltantes ou ladrões. E teremos também uma relação saúdavel e cordial, entre vizinhos.
Obrigado pela visita, Pedro, Danilo, Paula, Pamela, Fernanda e Odete.
Espero vocês mais vezes.
Abraços.

Postar um comentário

Será um prazer receber comentários, para nós do Varimix, eles são muito importante.

Esclarecemos que, serão avaliados antes da publicação, sendo que comentários obscenos, difamatórios e que não tem relação com o Blog não serão publicados.
Os comentários não refletem a opinião do autor do artigo.

Participem, deixem seu recado.
Abraços!